Sexta-feira, 14 de Setembro de 2007

Disturbia

Disturbia, um thriller da Dreamworks (!), fantasticamente bem traduzido para português (cof, cof): Paranóia. Claramente o senhor que traduziu o filme devia estar numa pequena estadia a algum hospital psiquiátrico. Paranóia? Por favor!



Então estava eu em casa sem fazer nada quando me lembro de uma rapariga deveras engraçada que vi num trailer de um filme na TV. Devido ao seu nome inesquecível lembrei-me do filme e decidi chamar um amigo para ver a tal película ao cinema mais longe de minha casa que existe na cidade (os mais perto já não o estavam a exibir).

Vamos começar a analisar. Disturbia é um filme um pouco parado na primeira hora, mas sempre agradável. Passado esse ponto os acontecimentos no filme decorrem tipo bola de neve. É um filme que tem momentos imprevisíveis, mas muitos clichés.



O filme conta a história de um rapaz ao qual morreu o pai (a cena da morte é demais!) e que fica de tal modo abalado que muda totalmente o seu comportamento e, mesmo passado um ano, continua com sentimentos de culpa.

Assim, quando não faz os trabalhos de casa e um professor lhe diz que o seu pai iria ficar muito desiludido, o professor fica com um olho negro e o nariz a sangrar.



Depois deste monte de clichés aparece a alma do filme. Uma rapariga cuja mãe decidiu mudar-se para os subúrbios de forma a conseguir que o pai entre na linha.

Voltando ao rapaz, ele ficou condenado a ficar em casa durante os 3 meses de verão (prisão domiciliária) e, sem mais nada para fazer (ficou sem a Xbox e o PC de castigo), põe-se a espiar os vizinhos dos quais se destacam a bo... vizinha e o possível homicida do vizinho.




No geral, gostei bastante do filme. Tem uma boa técnica de realização, actores (apesar de novos) muito competentes, com especial destaque para o vizinho interpretado por David Morse (que deve ser conhecido pelos fãs da série de TV House), e uma história capaz de manter o espectador interessado. Às vezes é imprevisível e outras muito previsível (o final, por exemplo). A banda sonora é óptima e os cenários, apesar de não variarem demais, estão muito bem construídos.

***

Bem, análise feita, fiquem com o trailer:
 
 
E com a ficha técnica:

Género: Thriller, terror
Ano: 2007
Duração: 105 minutos
Slogan: "Every killer lives next door to someone" - Todos os assassinos são vizinhos de alguém.

Realizador: D.J. Caruso
Escritores: Christopher B. Landon e Carl Ellsworth
Actores: Shia LaBeouf (Kale), Sarah Roemer (Ashley), David Morse (o vizinho), Carrie-Anne Moss (a mãe) e Aaron Yoo (o melhor amigo)

Para mais informações clicar aqui.


E fiquem ainda com mais algumas imagens que eu adorei e achei por bem partilhar.





PS: Estava a jogar Tomb Raider The Angel Of Darkness e tive de ir a um templo subterrâneo. Aquilo aguentou-se durante séculos, mas assim que lá pus o pé começou tudo a cair.
PS2: Parece que os 50 milhões de dólares que a Micro$oft deu à Rockstar não chegaram para o pessoal da Team Bondi trabalhar mais rápido para ver se o LA Noire, exclusivo PS3, chegava este ano.
Assim, ficou adiado por tempo incerto.
 
sinto-me:
música: Michael Bublé - Home
Tags:

publicado por Ricardo às 16:04
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De luxxx a 17 de Setembro de 2007 às 20:29
Confesso que Disturbia não me disse absolutamente nada. Não me consegui identificar com as personagens, o argumento não me surpreendeu nem por um segundo e a realização pareceu-me algo banal. Fiquei com a sensação que poderia ser um telefilme de Domingo à tarde.

Acho que "A Janela Indiscreta" merecia uma "cópia" melhorzinha...




Comentar post

Pesquisa

 
RSS