Domingo, 17 de Janeiro de 2010

Up (2009)

Ficha Técnica

Título Original: Up
Título Traduzido: Up - Altamente
Ano: 2009
Argumento: Pete Docter, Bob Peterson & Thomas McCarthy (só história)
Realização: Pete Docter & Bob Peterson (co-realizador)
Elenco: Edward Asner, Jordan Nagai, Bob Peterson, Christopher Plummer.
Estreia nos EUA: 29 de Maio de 2009
Estreia em Portugal: 13 de Agosto de 2009

 

Rotten Tomatoes: 98%
Metacritic: 88 / 100
IMDB: 8.5 / 10

 

 

A Pixar é um estúdio pelo qual tenho muito respeito. É o melhor estúdio de animação da actualidade. Fazem bons filmes, não descansam sobre os louros obtidos, nem são ambiciosos ao ponto de passar a vida a fazer sequelas de um produto só porque é viável comercialmente ou lançar mais que um filme por ano. Dos dez filmes que fizeram até agora, desde 1995, só Toy Story 2 é uma sequela. E, diga-se de passagem, é uma obra prima.

São os melhores no que fazem. A Blue Sky Studios, que até tem filmes engraçados (Ice Age's), a Dreamworks, que desde 1998 só teve um filme à altura da Pixar (Shrek), e a Sony Pictures Animation, que não tem nada de jeito, não lhe chegam aos calcanhares. Nem a Walt Disney Studios lhes toca. Não vou falar do Hayao Myazaki porque é um assunto totalmente diferente e o homem é um deus. No entanto, mesmo depois de todos estes elogios, não posso deixar de pensar que é um estúdio sobrevalorizado. Todos os filmes deles são bons ou muito bons, mas só três são de génio: os Toy Story's e o Monsters Inc. Wall-E deve ser o filme mais sobrevalorizado da década. Qual era a história do filme? É que eu já não me lembro... Só me lembro do robô com os olhos de cachorrinho abandonado.

Up, o filme de 2009 da Pixar, é um filme muito bom. Tem tiradas de génio. O filme conta-nos a história de Carl Fredricksen. Como conheceu Ellie em criança, o casamento, a sua vida até ao triste momento em que a mulher morre. Tudo isto em apenas dez belos e silenciosos minutos. Depois conta-nos a rotina de Carl depois da morte da mulher, introduz-nos Russel, uma espécie de escuteiro decidido a ajudar Carl, e a decisão de Carl de viajar até à América do Sul e viver em Paradise Falls, o sonho de Ellie.

O filme tem 90 minutos. E estes primeiros 30 minutos são absolutamente fabulosos. Excelentes. De génio. O problema é que nos restantes 60 minutos a história converge para um cliché do "Bom vs. Mau" e fica muito àquem do que o filme prometia inicialmente. É claro que estamos a falar da Pixar, são 60 minutos muito bem passados, com acção, comédia subtil e um óptimo desenvolvimento de personagens. E é isso que salva o resto do filme: as personagens.

Todas as personagens do filme (excepto talvez o Charles Muntz, antagonista de Carl, que, apesar de não ser excelente, desempenha bem a sua função), são brilhantes. Temos Carl, o velho rabugento que gostamos quase instantâneamente, não sendo perfeito mas humano; temos Russel, o tal escuteiro, que dá vida ao filme; temos Dug, um cão que nos vai fazer chorar a rir; e temos Kevin, um pássaro que, apesar de não falar, nos força uma estranha empatia.

Up é um filme muito bom. Tem um início de génio e depois transforma-se ficando um pouco atrás da excelência inicial, mas não desiludindo. Os personagens salvam o filme quando a história fica mais morna. Claro que quem gosta de acção e piadas em vez de história vai preferir a última parte a achar a primeira uma seca. No entanto, é ela que dá valor ao filme.

A qualidade da animação é perfeita, como a Pixar nos habitou. Adorei o desenho dos personagens. Transmite a personalidade do personagem apenas com um olhar. A casa também criou o efeito desejado, nostalgia e amor, a sensação de lar. Sem dúvida, animação de alta qualidade.

Up não é apenas uma história de amor, não é um filme de acção, não é uma comédia, não é um filme para crianças, não é uma história do bom idoso versus o velho mau, é uma história de personagens que nos conquista pelo seu coração.

 

Tags:

publicado por Ricardo às 14:11
link do post | comentar | favorito

Música da semana

Pesquisa

 
RSS