Terça-feira, 24 de Junho de 2008

Da Ribeira Até À Foz

São João. Detesto todos os tipos de festas populares e qualquer demonstração de sabedoria popular. Se há ocasiões em que saio de casa voluntariamente, é por causa dos carrinhos de choque.

E se saio de casa no São João, não é por causa da festa, é pela aquela oportunidade de convivência. Sair com os amigos, andar na Cidade Invicta, da ribeira até à foz. Se conseguirmos ignorar os jovens embriagados, futuros coveiros, presidiários e empregados da construção civil, a grotesca música pimba e os rodos de gente que nos tentam enfiar aquela espécie de flores nojentas pela cara acima, até consegue ser bem agradável.

Apesar de tudo, admiro o São João. É preciso inteligência, uma manha rebuscada, para criar uma festa destas. Pode parecer muito simples, mas é um acto grandioso fazer com que milhares de pessoas saiam à rua à martelada em pessoas desconhecidas até de madrugada, ano após ano. Se um ET visse, diria que esta gente é doida ou qualquer coisa como "Que inutilidade!". E teria razão. É inútil. Mas também é divertido.

Outro aspecto importante é a martelada. Estabeleci uma regra há algum tempo, só bato na cabecinha de gajas boas e essas têm, não só de ser boas, mas lucrar de um aspecto pouco oferecido. Dá mais valor à conquista. Uma dica, se receberem uma martelada bem disposta de volta, ou ela está totalmente entornada, ou... por outras palavras... aproveitem!

E é assim, chegados à Foz, deitamo-nos na praia, encostados numa toalha estendida enquanto a multidão de zombies embriagados dança ao som de um DJ de música tecno. Se ouço outra vez a expressão 'rise up', juro que alguém vai sair magoado. E enquanto alguns se despiam para tomar banho a meio da noite, eu esperava o nascer do sol. Ou não. Sim, ou não. Porquê? Porque me chamaram à atenção que Portugal está virado para poente, logo é impossível ver o sol a nascer do mar. Paciência, também já é de manhã...

Tags:

publicado por Ricardo às 16:49
link do post | comentar | favorito
7 comentários:
De Beatriz a 25 de Junho de 2008 às 12:31
Gosto da tua maneira de escrever.


De Ricardo a 26 de Junho de 2008 às 13:48
E eu fico muito contente!


De luxxx a 26 de Junho de 2008 às 00:26
Nunca fui ao São João. Essa ausência de conhecimento não só reside no facto de eu ser de Lisboa, como também no ódio visceral que tenho ao período dos santos... e à passagem de ano... e ao Carnaval... e a festividades como casamentos, baptizados e despedidas de solteiro.

Concluindo, detesto todos os eventos durante os quais se tem de estar obrigatoriamente feliz.

Excelente post, Rikardo. Para não variar, muito bem escrito!


De Ricardo a 26 de Junho de 2008 às 13:51
Como referi também não são os meus momentos preferidos, mas quando temos 17, num dia normal temos de chegar a casa antes das 6h e no S. João e Ano Novo temos "carta branca". Para não falar do complicado que é combinar sair com muita gente quando não há "festa". E obrigado!


De Durval a 26 de Junho de 2008 às 13:46
Bom post! Esqueceste-te de mencionar que o s.joão é extremamente perigoso, eu estive no s.joão da figueira da foz (cidade onde moro) onde voaram foguetes contra as pessoas que estavam na praia (eu inclusivé) :D


De Ricardo a 26 de Junho de 2008 às 13:52
Pois foi! Mas não te magoaste, pois não? Espero que não... Sinceramente nunca percebi isso dos foguetes!


De Durval a 27 de Junho de 2008 às 00:09
Ahaha por acaso tive sorte vinha um dos primeiros direito a mim mas bateu na perna d um amigo meu que estava sentado ao meu lado. Foi muito estranho, em poucos segundos os foguetes começaram a voar para o lado do mar assim tipo tacada de golfe, a subir 2 ou 3 metros e a cair suavemente mas sempre a alta velocidade. Só me lembro de virar costas i ver umas 200 pessoas a correrem em direcçao ao mar e algumas a levarem com foguetes e faiscas e a cair por terra. Por momentos fui feliz porque me senti como se estivesse num call of duty :D


Comentar post

Música da semana

Pesquisa

 
RSS