Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2008

Sin City

Nome original: Sin City ou Frank Miller's Sin City (USA)
Nome traduzido: Sin City: A Cidade do Pecado
Ano: 2005
Duração: 124 min
Slogan: There is no justice without sin.
Realizador: Robert Rodriguez
Argumentista: Frank Miller
Actores: Lista infinita. Ver IMDb.

Não tive oportunidade
de o ver no cinema, crime pelo qual estou deveras arrependido, e, quando o aluguei no vídeo-clube, fiquei tão deslumbrado que comprei o DVD na sua edição de coleccionador.

Sin City é a adaptação cinematográfica de quatro histórias das graphic novels com o mesmo nome trazidas ao mundo por Frank Miller. Este é o verdadeiro film noir (= género de filmes originário dos anos 40 e 50, geralmente a preto e branco, com elementos muito característicos).


Frank Miller's Sin City

O filme conta 4 histórias, embora uma delas seja mais pequena e tenha menos que as outras. A história de um assassino contratado que parece ter um gosto especial em matar elementos do sexo oposto, a do último polícia honesto de Sin City acusado erradamente de pedofilia, a de Marvin, um matulão disposto a tudo para vingar a morte de Goldie, a única mulher disposta a dar-lhe uma noite de prazer e a de Dwight, um homem que tenta ajudar as prostitutas da Cidade Velha a sair de uma alhada que ele ajudou a criar.


Do I take this cop down and risk it all?
Clive Owen is Dwight

Vão ver Sin City pela primeira vez? Esqueçam tudo o que viram até agora. Esqueçam as grande histórias de duas horas, Sin City tem quatro pequenas e intensas. Esqueçam todas as cores do arco-íris e o cinzento dos filmes a preto e branco. Sin City é simplesmente negro. Esqueçam aquela violenciazinha e nudez dissimulada. Sin City é descarado. É violento. É machista. É amoroso no sentido mais pérfido da palavra.


Beautiful and merciless.
Rosario Dawson is Gail

O que é que é diferente aqui? Em primeiro, o estilo. É uma delícia para os olhos. Um preto a combinar com a história com ligeiros toques de outras cores fortes em sítios apropriados. Melhor? Impossível. Outra diferença são os clichés, engenhosamente colocados, fazendo jus a todos os films noir. Se há pouco tempo estavam a vir muitos filmes neo-noir (Uma História de Violência, Batman Begins, Reservoir Dogs, Pulp Ficition, Memento) Sin City volta ao verdadeiro film noir e interpreta-o ainda melhor que, por exemplo, The Black Dahlia.


No reason at all to play it quiet.
No reason to play it any way but my way.
Mikey Rourke is Marv

Outra coisa que vale a pena mencionar: Sin City é ficção. Não se deixem enganar pelo seu tom adulto e realista, pois assim não estranham ou ficam desiludidos por ver um homem amarelo ou outro mais forte que um touro e o Hércules juntos.

Quem gosta de meninas também não vai ficar desiludido. Há beleza por tudo em quanto é lado. Prostitutas, damas de companhia, empregadas de bar, stripers, namoradas. Há de tudo. E a qualidade é da melhor que há (frase ambígua esta, hem?)!


Skinny little Nancy Callahan.
She grew up. She filled out.
Jessica Alba is Nancy

Havia muito mais para dizer sobre Sin City, mas a conclusão seria a mesma. Robert Rodriguez tem aqui o melhor trabalho da sua carreira e a sua cooperação com Frank Miller não podia ter corrido melhor. Fiel ao original, Sin City é um filme que inova como não se vê há muito. Quem gosta de graphic novels e do estilo noir tem aqui um essencial. Quem não gosta tem de o ver na mesma porque, se um filme perfeito é um que não tem defeitos, Sin City está nesse pequeno grupo.


Hell of a way to end a partnership.
Bruce Willis is Hartigan

Um destaque para Jessica Alba, que sobressai mesmo com o fantástico elenco deste filme que fez um trabalho não só competente, como excelente. E porque é que ela sobressai? É óbvio que o chicote, a dança, o cabelo, os olhos, as curvas (ui!) tiveram muito a ver com isso, mas ela fez mesmo, perdoem a expressão, um trabalho do caraças!

Outra menina que gostei bastante, principalmente devido aos magníficos olhos azuis, é aquela que interpreta Becky. Tão inocente. Mas as aparências iludem! Um desperdício, digo eu (quem esteve atento à cena final sabe do que falo).


Jessica Alba

Sem mais letra, vejam o filme, se é que já não viram e comprem o DVD da edição de coleccionador que, apesar de não ter a menina Alba na capa, é muito apetecível.

Filme
*****
Extras do DVD
****

PS: Esqueci-me de pontuar o Zodiac. Ele mereceu uma nota de 4* em 5*.
sinto-me:
música: Matchbox Twenty - How Far We've Come

publicado por Ricardo às 23:35
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De luxxx a 19 de Janeiro de 2008 às 04:50
Magnífica adaptação dos magníficos livros de Frank Miller. Segue a par e passo o estilo dos livros e até consegue o feito de fazer renascer das cinzas o triste Mickey Rourke.

E já que estou a falar de Frank Miller, gostei bastante do trabalho de Zack Snyder em 300 e deposito enormíssimas esperanças na sua adaptação do brilhante Watchmen, a obra máxima de Alan Moore, que para mim é o rei das graphic novels.


Comentar post

Música da semana

Pesquisa

 
RSS