Sexta-feira, 11 de Janeiro de 2008

Dollhouse

A televisão é provavelmente o meio de entretenimento doméstico preferido da maioria dos portugueses. A ironia aparece quando Portugal tem uma televisão com qualidade miserável, principalmente para quem não tem TV Cabo ou afins. Curioso também serem sempre os programas de qualidade duvidosa e de índole degradante para o mais miserável dos seres humanos os que mais  audiências têm.

Assim, e tendo em conta que os melhores programas de televisão: os bons documentários, as séries de qualidade e os filmes interessantes são raros nos canais generalistas, repetidos nos da especialidade e dão a horas incompatíveis com o horário do trabalhador comum, é perfeitamente compreensível que as pessoas mais exigentes e com dois dedos de testa (salvo seja), que não se contentam com a novela da noite e o reality-show do momento, vão buscar os seus materiais de entretenimento à Internet, a maioria gravados das televisões americanas por almas gentis e caridosas para a nossa satisfação, ou ao videoclube e depois comprando os seus preferidos em DVD (agora também vem aí o Blu-Ray e o HD-DVD que é apoiado pela M$ que embora diga que este último é bom, diz que pode vir a escolher Blu-Ray e diz ainda que o que é bom mesmo é o comércio digital; claramente uma estratégia para ganhar o mercado digital, esperemos que a Apple faça uma boa concorrência).

Não nos podemos esquecer também que todo o degredo existente na televisão portuguesa foi inspirado no degredo internacional, logo, mesmo quem usa a Internet para ver televisão, tem de saber escolher. A TV Americana tem as melhores séries, mas também tem os mais inacreditáveis programas. E mesmo entre as séries tem de haver uma selecção (vejam bem onde chegámos) pois as últimas estreias são tão boas como os Morangos Com Açúcar. Ok... Não são assim tão más, mas também não é nada que dê prazer assistir. Resumindo: as séries americanas, depois de passarem por um momento de ouro (Grey's Anatomy, House, Lost, Prison Break, Smallville, Heroes, etc...) ficaram a ver a banda passar e, de momento, é preferível ver as novas temporadas de séries antigas do que andar a investir em novas. Daí o meu grande contentamento quando soube uma notícia que, se forem tão fãs de Joss Whedon como eu, vai abalar o vosso mundo.

Isso mesmo! Depois de fazer uns dos maiores contributos para o cinema e televisão, Joss Whedon (criador da minha querida Buffy, de Angel e da curta, mas fantástica, série do espaço Firefly, cujo universo serviu de base para um filme) volta à carga. Ele vai ser o produtor principal de outra série que vai ter como protagonista Eliza Dushku (Faith em Buffy The Vampire Slayer e actriz principal em Tru Calling).



A série vai chamar-se Dollhouse (que nome tão giro! =P) e vai contar a estória de uma agente secreta chamada Echo, cujo grupo de agentes (ela incluída) pode aprender habilidades e adquirir personalidades para uma determinada missão. Depois, missão cumprida, e eles perdem a memória. A personagem interpretada pela menina Eliza vai aperceber-se disso e depois, acho eu de que, vai fazer qualquer coisa.

E embora Joss diga que se os fãs de Buffy pudessem ver o que ele tem na cabeça ficariam super ansiosos, esta sinopse não me atrai nem um bocadinho! Apesar disso, confio no Joss! Nunca me deixou ficar mal e não me parece que vá começar agora.

A série está programada para 7 episódios iniciais, começará a ser gravada depois da greve (nãaaao) e vai ser emitida na FOX. Sabe-se lá por quê... Afinal, foram aqueles estúpidos que acabaram com Firefly depois de emitirem os episódios fora de ordem e com quem Joss disse que nunca mais ia trabalhar. Mas Whedon argumenta: "É um grupo de pessoas novo e completamente diferente. Parecem muito inteligentes e prestáveis. Para além disso sempre tive uma boa relação com a 20th Century Fox. Eu pedi um episódio piloto e eles deram-se 7 episódios. Não foi nada mau.".

Só me resta agradecer aquela babe muito gira que o convenceu a voltar ao trabalho. Obrigado menina Dushku! (Ora vejam bem este nome: "Dush" + "ku". Giro, não?)

Whedon está a trabalhar também em Ripper (outro spin-off de Buffy, à semelhança de Angel, que conta o percurso de Giles depois da grande vitória de Buffy no final da Season 7) e na Season 8 de Buffy que está a ser feita, perdão, muito bem feita, em banda-desenhada.


PS: Para vos compensar a minha indisponibilidade nos dias 9 e 11 e desculpar-me pela qualidade decrescente deste blog, esforcei-me neste texto. Espero tenham gostado.
sinto-me:
música: David Fonseca - Rocket Man
Tags: ,

publicado por Ricardo às 23:25
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De luxxx a 14 de Janeiro de 2008 às 14:45
Vamos lá ver se Joss Whedon fará justiça aos seus pergaminhos. Tenho esperanças, pois sempre fui um fã de Buffy, especialmente no que toca à escrita dos diálogos.

Angel passou-me um pouco ao lado e Firefly não faz parte das minhas paixões.

Passando para a greve dos argumentistas, os Globos, exibidos ontem pela CNN, foram uma tristeza. Mas vendo a coisa pelo seu lado positivo, foram rápidos...

A ver vamos o que acontecerá com os Oscares.


De Ricardo a 14 de Janeiro de 2008 às 21:36
Buffy foi das séries mais originais de sempre! Tem episódios de cortar a respiração. E quem é que pode resistir à conversão do estereótipo da menina indefesa loirinha dos filmes de terror?

Angel também me passou ao lado, mas como agora estou a fazer colecção dos DVDs da Buffy, vai tudo para o mesmo canto e vou ver a série toda direitinho.

Firefly não faz parte das tuas paixões? Eu fiquei apaixonado. Adorei tudo em relação aquela série. Desde os cenários aos diálogos passando pelas personagens. Ele criou um Universo gigante, mas centrou-se numa tripulação peculiar. Adorei mesmo. Acho que se vires a série seguida com os episódios por ordem e com atenção, vais achar o mesmo. Foi uma pena ter sido cancelada. E o filme Serenity? Sei que és um fã de Star Wars, mas para mim não há melhor Sci-Fi do que aquela.


De luxxx a 15 de Janeiro de 2008 às 00:58
Houve ali qualquer coisa que não me agarrou mesmo. Penso que deve ter sido a tentativa de colagem do universo de Firefly ao estilo western. Ainda pensei que seria conquistado por Serenity, mas não.

Enfim...


Comentar post

Música da semana

Pesquisa

 
RSS